Nutrição Vegetal em culturas menores

As culturas menores (ou com pouca expressão) são definidas do ponto de vista fitossanitário através de duas das três suposições que se seguem, de acordo com o "Guia SANCO 7525 / VI / 95, Rev. 10.3, 13 de junho de 2017": consumo médio diário inferior a 0,125 gramas por quilo do peso corporal, superfície de cultivo inferior a 20.000 hectares e uma produção anual inferior a 400.000 toneladas.

Esta definição baseia-se apenas na ingestão de um potencial resíduo fitossanitário, mas não no que é fundamental, como a diversidade de oferta ao consumidor em termos de valor nutricional, formas, sabores, etc. As culturas com menor expressão não devem ser consideradas menores. Um exemplo claro disso no mercado é a fruta tipo snack, como tomates cereja, framboesas, mirtilos ... Sob o ponto de vista comercial das frutas e legumes, as culturas menores são um grande segmento de mercado e, portanto, os fabricantes de nutrientes associados à AEFA, têm um especial interesse neste mesmo mercado.

Para nos introduzirmos no mundo da nutrição vegetal para culturas menores, entrevistámos Javier Vázquez Antequera, Engenheiro Técnico Agrícola e Crop Manager da empresa COMPO EXPERT, multinacional alemã especializada em nutrição vegetal no âmbito da agricultura profissional, onde proporcionam soluções de alta qualidade através do seu extenso catálogo. A COMPO EXPERT é membro da AEFA desde 2013.


Javier, pode-nos dar exemplos das chamadas culturas menores?

As culturas menores têm todo um potencial a ser levado em conta e são compostas de espécies presentes em todos os tipos de hortícolas. De fato, o MAPAMA, no site oficial, publicou uma lista de culturas menores em Espanha (Regulamento (UE) 752/2014). Se falamos de exemplos, neles estão presentes espécies de castanhas, avelãs, pinhões, pistachos, nozes, ... frutas de semente, marmelos, quiabos, ... em bagas e pequenos frutos temos as amoras, framboesas, mirtilos, groselhas ... verduras como a rúcula, rabanete, nabo, cebolinha, abóboras, couve chinesa, canónigos  ... e outras frutas do tipo kiwi, romã, papaia, tâmaras, figos, anonas, maçãs, etc.


Sabe-se qual é a superfície cultivada destas espécies em Espanha?

É difícil estimar, mas podemos afirmar que atualmente existem mais de 40.000 hectares ocupados por essas culturas. E é difícil porque estamos perante um mercado em constante mudança. É necessário pensar que, para as empresas que comercializam hortícolas, esta é uma oportunidade de diversificar os produtos que oferecem, bem como uma oportunidade para atrair novos consumidores, como é o caso dos produtos “snack” ou a 4ª gama de saladas, por exemplo.


A nível de faturação, o que representam?

É o mesmo exemplo que o caso anterior, as estimativas e os números com que trabalhamos para o mercado espanhol são cerca de 400 milhões em vendas, o que não é um valor insignificante. E o melhor ...? É que são números que continuam a subir.


Como contribuem as culturas menores para os agricultores?

Para uma agricultura em que as margens estão cada vez mais reduzidas em produtos convencionais, as culturas menores podem ser uma grande oportunidade para diversificar as produções e gerar produtos de maior valor acrescentado, aumentando a rentabilidade das explorações agrícolas.

Os pontos de venda também têm interesse nesse sentido, uma vez que a diversificação dos produtos das suas linhas, tornam essas seções mais atrativas, oferecendo um maior leque de produtos, muitas vezes até como diferenciação entre lojas. E não podemos esquecer a restauração, em que os produtos de culturas menores desempenham um papel fundamental para a inovação gastronómica.

No mercado temos sempre a mesma lei: quanto maior a diversidade, maior a capacidade de diferenciação e, portanto, a valorização de um produto, ... se tudo é "igual" ou "considerado igual", o preço tende sempre a cair.


Têm as mesmas necessidades a nível de fertilizantes e bioestimulantes agrícolas que outros tipos de culturas?

Dependendo do grupo em que são enquadrados e do produto colhido, são estabelecidas as quantidades de fertilizantes associados. Há características diferentes, por exemplo, não se pode tratar a rúcula da mesma forma que a alface, uma vez que no primeiro caso realizam-se vários cortes para a colheita e no caso da alface tradicional é apenas realizada uma colheita com um só corte.

As empresas da AEFA têm muito em conta os seus produtos e combinações destes, para dar respostas eficazes ao agricultor. Na COMPO EXPERT por exemplo, definimos um plano estratégico para estabelecer modelos de nutrição e bioestimulação específicos, uma vez que não se pode considerar tudo igual, ainda que tenha a mesma base.

Um exemplo é o programa desenvolvido para as "berries" que está a dar muito bons resultados, combinando bioestimulação específica com base no extrato de algas (Ecklonia maxima) e Bacillus amyloliquefaciens, e nutrição com ácido NPK-Ca, através da irrigação.


Há muitas culturas menores em agricultura biológica. O agricultor tem uma oferta adequada de nutrientes?

Muitas das culturas menores vêm de pequenas produções ou de agricultura de pequena escala, que geralmente é mais propício à agricultura biológica. A verdade é que existe uma necessidade de insumos agrícolas biológicos de qualidade e confiáveis, em termos de rigor e características.

Sei que as empresas da AEFA trabalham incansavelmente nos nossos departamentos de I+D+i para desenvolver formulações que permitam melhorar e rentabilizar as colheitas dos agricultores. Também, como exemplo, na COMPO EXPERT desenvolvemos um catálogo completo de nutrientes para uso em agricultura biológica, com produtos organominerais granulados, solúveis e foliares.


Desenvolvem produtos especiais para culturas menores?

Pode-se dar o caso de algum produto específico, mas como expliquei anteriormente, as culturas menores são definidas pelos produtos fitossanitários e a sua toxicologia.

Em termos de fertilizantes, são preparados programas específicos de produtos para culturas menores, em termos de necessidades nutricionais e manutenção.

Há um caso particular que são os bioestimulantes, que podem ter um grande impacto no modelo agrícola das culturas menores.


Estes produtos têm um impacto significativo na sua produtividade?

Podemos dar um exemplo interessante, como a aplicação de PGPR (Plant Growth Promoting Rhizobacteria) associada a bioestimulantes, como é o caso do uso de algas macro como a Ecklonia maxima, contendo um alto teor de auxinas naturais e a adição de uma bactéria benéfica para o rizosfera vegetal, Bacillus amyloliquefaciens. Esta sinergia entre algas e microrganismos gera raízes fortes e saudáveis, assim como um efeito bioestimulante, dando resultados muito bons em frutos vermelhos.


No caso de bioestimulantes agrícolas, eles permitem que o agricultor lide com culturas em condições mais adversas, como a seca?

Sim, há efeitos sob diferentes situações de stress, embora ainda haja muito por estudar e descobrir. O importante nesses casos é fazer ensaios rigorosos para demonstrar estes efeitos e, assim, ser capaz de fornecer soluções confiáveis ​​aos produtores.

Por exemplo, embora não seja um bioestimulante, o caso particular de aplicação de humectantes através da irrigação, pode ajudar a otimizar o uso de água em défice hídrico. O importante é que estes produtos não sejam fitotóxicos, se desintegrem rapidamente, sejam eficazes quando incorporados em baixas doses e não apresentem toxicologia no biota ou microbiota do solo.

Os bioestimulantes para a seca seriam, por exemplo, o silício assimilável pelas plantas (não dessecante). Foi provado em diferentes estudos como o silício absorvido pelas plantas reduz a permeabilidade do tecido vegetal à água e, assim, reduzindo a transpiração e o consumo de água.


Existem valores para o consumo de nutrientes e bioestimulantes voltados para essas culturas?

No total poderíamos estar a falar de um mercado de cerca de 10 milhões de euros no consumo de nutrientes e bioestimulantes.


No que estão a trabalhar sobre os produtos deste mercado?

Continuamos a trabalhar, incorporando novos bioestimulantes e tecnologias. Como um exemplo entre os mais recentes, a tecnologia de elicitores, que são compostos fornecidos em pequenas quantidades, que geram uma resposta da planta. Este ano estamos a introduzir o nosso novo elicitor ESSR-1 (Elicitor Salt Stress Release), que alerta e modela a resposta da planta a situações de salinidade, diminuindo as perdas provenientes de danos por salinidade.